Selecione seu estilo

Escolha seu layout

Esquema de cores

Marca de Beyoncé é envolvida em polêmica

Marca de Beyoncé é envolvida em polêmica

A cantora Beyoncé é conhecida pelo seu militarismo pelos direitos igualitários das mulheres e defesa aos negros em seus álbuns. Mas agora a cantora se vê envolvida em uma polêmica no mundo da moda. Em uma recente parceria com a rede de fast fashion Topshop, Queen B, como é chamada pelos fãs, lançou a coleção Ivy Park, com roupas esportivas que prezam pelo empoderamento feminino, afirmando que todas têm o direito de se sentirem bonitas, independente da forma física.

Apesar do storytelling convincente, esta semana veio à tona a informação de que a produção das peças de roupa passaria por ateliês do Sri Lanka, que pagam salários baixíssimos aos trabalhadores, visando vender por preços menores e grandes quantidades. Ou seja, eles têm muito trabalho e pouco – quase nenhum – retorno financeiro. A notícia dada pelo jornal The Sun estremeceu toda a campanha criada em torno da parceria, que tem recebido árduas críticas na internet.

Segundo a reportagem, a maioria das roupas é desenvolvida por mulheres jovens, vindas de regiões rurais pobres, que têm uma jornada de trabalho intensa – mais de 60 horas por semana – e ganham aproximadamente R$ 20 por dia. Em declaração, a Ivy Park nega que a produção da coleção tenha violado as leis de trabalho.

Segundo a marca, não se medem esforços em termos de inspeções nas fábricas e os balanços. As equipes do mundo inteiro trabalham próximas aos fornecedores e das fábricas para garantir conformidade. A Ivy Park espera que os ateliês conheçam seu código de conduta e oferecem suporte para atingirem estes requisitos. A cantora, que é co-fundadora, ainda não se pronunciou sobre o caso.

Não é de hoje que o fast fashion causa polêmicas. O documentário “The true cost” trouxe à tona diversos casos de trabalho escravo em países asiáticos, a fim de vender roupas em grande escala no mercado Ocidental. O tema, que constantemente é abafado, voltou à tona pelo uso da imagem de Beyoncé, uma estrela pop, com imagem construída em cima do empoderamento, mas que se mostra contraditória ao entrar em um negócio sem saber a procedência dos produtos.

A discussão mostra que, cada vez mais, optar por comprar de marcas que tenham a origem das roupas de boa procedência, é uma tendência cada vez maior. Isto dará gás para marcas labels aumentarem suas vendas, e até mesmo, para um crescimento da produção da própria roupa. Consumo consciente é o caminho para uma moda mais justa.

SEM COMENTÁRIOS

Escreva um comentário

Pular para a barra de ferramentas